Avançar para o conteúdo principal

A tecnologia está nos deixando menos produtivos?

Para qualquer pessoa que entrou no mercado de trabalho nos últimos vinte anos, o salto tecnológico foi imenso. E-mail e videoconferência, por exemplo, ajudaram pessoas a se conectar. Whatsapp e redes sociais permitem contatos com pessoas de fora da empresa e a internet em si é fonte de informação infinita. Mas hoje o efeito mais esperado – o aumento da produtividade – muitas vezes não ocorre. Ou piora. Segundo o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos, a produtividade dos americanos entre 2007 e 2017, de 1,2% ao ano, foi de menos da metade da produtividade da década anterior, 2,6%. É a mais baixa em 50 anos. Uma série de razões explica estes números. Por exemplo, numa pesquisa entre trabalhadores, feita pela empresa de eletrônicos Sharp em 2017, 38% dos britânicos confessaram que eram menos produtivos por não dominarem a tecnologia. Muitos softwares e equipamentos exigem aprendizado constante sobre como usá-los. Além disso, outro tanto não é eficiente para o trabalho ou está desatualizada – como o uso de computadores antigos e lentos – ou até é avançada e complicada demais para o trabalho.
Alguns economistas também apontam o Paradoxo de Jevons ou Efeito-ricochete. Ao analisar o consumo de carvão nas casas e fábricas durante o século XIX, o inglês William Stanley Jevons se deu conta de que as pessoas, com o tempo, passaram a usá-lo de maneira mais eficiente. O esperado era que o consumo caísse, acompanhando o uso mais racional, mas o contrário aconteceu. Com um uso eficiente, o preço despenca. Se ficassem com o mesmo consumo, as pessoas iriam poupar esse dinheiro ou gastariam em outra coisa. Porém a maioria preferia comprar mais carvão e ficar aquecida em mais horas do dia. Algo parecido ocorre com a tecnologia no trabalho. Em um primeiro momento, as facilidades permitem pular e acelerar processos, com um ganho de tempo dos trabalhadores. Um exemplo é a videoconferência. No lado positivo, as pessoas passaram a se reunir sem precisar se deslocar a um mesmo lugar. Ao mesmo tempo isso levou à reclamação de que hoje em dia ocorrem reuniões demais, com perda considerável de tempo. O mesmo pode ser dito do uso do email, Whatsapp e etc. Em um artigo para o Harvard Business Review, o consultor Michael Mankins calcula que um executivo hoje gasta 11 horas por semana respondendo mensagens, mais de um dia inteiro de trabalho. Mas como os trabalhadores se sentem a respeito? O Pew Research Center, instituto de pesquisas americano, mediu o impacto da tecnologia em 535 pessoas. Seis em cada 10 delas usavam o email e, logo, a internet como ferramenta de trabalho enquanto o uso de celular era de pouco mais de 2 em cada 10. Só 7% ou seja, 7 em cada 100 pessoas, achava que ficaram menos produtivas por causa da tecnologia. E quase metade delas se sentia mais produtiva. A possibilidade de se comunicar com pessoas fora da empresa, mais flexibilidade no trabalho e aumento no número de horas trabalhadas foram as vantagens mais citadas. As respostas sugerem que a tecnologia atrapalha bem menos do que dizem alguns números. Mas as estatísticas que mostram uma queda também não mentem. É um caso ainda a ser melhor estudado, ainda que novas tecnologias continuem a surgir, criando novos usos, vantagens e problemas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os robôs pelos quais você deve se apaixonar antes de fazer sexo com eles! (Tecnologia)

A tecnologia invadiu quase todas as áreas da atividade humana , e o campo sexual não é livre, por isso não são robôs sexuais que permitem desfrutar de relacionamentos íntimos para outro nível. Empresas como a Abyss Creations , fabricantes de bonecas sexuais RealDoll , procuram oferecer a experiência mais real possível. Isso inclui que os robôs podem ser programados para apresentar diferentes " humores " e reagir de acordo, mesmo recusando-se a ter um relacionamento sexual. Em todo o mundo, estão indo em alarmes sobre os estereótipos de gênero, o sexismo e objetificação sexual , especialmente considerando desenvolvimento de modelos como o robô Frigid Farrah , programado para " mostrar" o descontentamento quando o jogo abruptamente ou o projetos que simulam a anatomia de menores. O que é um fato é que essas máquinas sempre estarão dispostas a fazer o que seu dono quer . Por isso, outro perigo identificado pelos especialistas é que a inteligência e os senso…

E se metade das contas que existem no Facebook na verdade forem falsas?

O Facebook de Mark Zuckerberg é sem dúvida nenhuma a maior rede social da Internet. As seus muitos utilizadores mostram que é a escolha da maioria e que são fieis. Mas um novo estudo vem mostrar que na verdade pode haver dados falsos. Segundo a informação existente, metade das contas que existem no Facebook são falsas. Os dados que a rede social tem divulgado mostram que conta já com já 2,2 mil milhões de utilizadores.O crescimento tem abrandado, mas ainda assim é um valor que poucos se podem gabar de ter. Aaron Greenspan quer mostrar a realidade da rede social de Mark Zuckerberg Mas um estudo recentemente divulgado revela que estes dados podem ser falsos. Segundo o que é mostrado, 50% das contas do Facebook são falsas. É ainda mostrado que a empresa sabe disto e que usa estes valores para manter os investidores interessados. Este relatório surge de Aaron Greenspan, um ex colega de Mark Zuckerberg. Curiosamente este foi um dos criadores do termo Facebook, tendo em 2009 chegado a …

Rapariga vê filme pornográfico e repara que os protagonistas são os pais

"Nunca desliguei tão depressa a televisão", confessou. Uma rapariga ficou surpreendida quando estava a assistir a um filme pornográfico e percebeu que os protagonistas eram nada mais, nada menos do que... os seus pais. Segundo avança o jornal britânico Metro, a mulher recorda a situação e explica que tudo aconteceu quando tinha 15 anos e, sozinha em casa, foi até ao quarto dos pais para ver se encontrava algum brinquedo com que brincar. No entanto, só encontrou cassetes, atrás do guarda-roupa. Não resistiu à curiosidade, pegou neles e foi ver do que se tratava. Poucos minutos depois, arrependeu-se. "O protagonista, que era o meu pai, saltou para cima da mulher e começaram a fazer sexo. Foi a pornografia menos sensual que já vi", relatou a mulher, ao mesmo jornal. A mulher revelou ainda que "nunca correu tão rápido para desligar a televisão. Só conseguia gritar 'não'". Durante anos esteve traumatizada com o que viu, mas agora fala do que a…