Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Shiba Inu (criptomoeda)

O token Shiba Inu (ticker: SHIB ) é uma criptomoeda descentralizada criada em agosto de 2020 por uma pessoa ou grupo anônimo conhecido como "Ryoshi". É nomeado após o Shiba Inu (柴犬), uma raça japonesa de cachorro originária da região de Chūbu , a mesma raça que é retratada no símbolo do Dogecoin , originalmente uma criptomoeda satírica baseada no meme Doge . Shiba Inu foi caracterizado como uma " moeda meme " e um esquema de bomba e despejo. Ganhe bitcoin com binance Registe-se Clica aqui para se registar Também houve preocupações sobre a concentração da moeda com uma única carteira "baleia" controlando bilhões de dólares do token e compra frenética por investidores de varejo motivados pelo medo de perder (FOMO). Regista te e ganha ja bitcoin nos oferecermos com binance Shiba Inu foi criado em agosto de 2020, autodenominando-se o 'assassino Dogecoin'. Ganhe bitcoin com Binance Em 13 de maio de 2021, Vitalik Buterin doou mais de

Changpeng Zhao: o homem à frente da Binance, maior corretora de criptos do mundo

Em 2013, Changpeng Zhao soube da existência do Bitcoin, e quatro anos depois fundou a sua própria corretora: a Binance No início dos anos 90, o chinês Changpeng Zhao trabalhou em um fast food para ajudar a família. Quase três décadas depois, em uma trajetória que renderia um filme, ele fundou a Binance – maior exchange de criptomoedas do mundo em volume de negociação – e passou a fazer parte do seleto grupo de homens mais ricos do planeta. Neste guia, o JDMF narra a história de “CZ”, como é conhecido no mercado. Revela o passado, a formação e o caminho percorrido por ele até virar um dos principais personagens do universo das criptomoedas. Conta também como um jogo de poker mudou sua vida e o aproximou do Bitcoin (BTC). Quem é Changpeng Zhao Changpeng Zhao nasceu em Jiangsu, província localizada na costa Leste da China. Sua mãe é professora dos ensinos fundamental e médio e seu pai é professor universitário. https://accounts.binance.com/pt-PT/register?ref=430673967 Na final da

Anonymous ameaçam Putin com ataques a infraestruturas críticas da Rússia

A ciberguerra já tinha sido declarada pelo grupo hacktivista Anonymous ao regime de Putin. O coletivo lançou agora um novo vídeo onde diz que deixar alguns sites offline é só o começo e que hackers de todo o mundo, incluindo russos, podem expor em breve os segredos de Putin e da Rússia. O grupo Anonymous deixou uma mensagem no Twitter a Vladimir Putin, onde ameaça o presidente russo de poder vir a sentir em breve os efeitos da ação de hackers de todo o mundo, incluindo russos, sobre infraestruturas críticas do país. Na mensagem o coletivo condena os ataques na Ucrânia e a pretensão do regime de Moscovo em voltar aos tempos da União Soviética, sem respeito pelos direitos humanos ou pela autodeterminação dos seus vizinhos. Recorda que Putin criticou os ataques dos Estados Unidos e da NATO no Médio Oriente, mas que a invasão à Ucrânia veio mostrar que Putin não faz melhor que os regimes imperialistas que condena. “Se continuar nesse caminho vai continuar a perder o apoio da população russ

Por que a Rússia não quer a expansão da Otan para o leste

Depois que seu inimigo soviético ruiu, a Otan continuou crescendo. Até hoje se debate se essa expansão ajudou a garantir a paz ou constitui uma ameaça. Certo é que tem papel central nos ataques russos contra a Ucrânia. A discussão sobre papel da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) – aliança militar transatlântica fundada em 1949 especificamente para combater o império soviético na Europa – tem evoluído desde a dissolução da União Soviética, em 1991. Na época, muitos especialistas em política externa instaram os líderes ocidentais triunfantes para que estabelecessem uma nova estrutura de segurança a fim de redefinir as relações com a Rússia, que herdou as ruínas da União da Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). O Ocidente "tinha todas as cartas na mão em 1990-1991", diz Dan Plesch, professor de diplomacia da Faculdade de Estudos Orientais e Africanos (Soas) da Universidade de Londres, à DW. "A União Soviética conseguiu um fim [relativamente] pacífico do i

Por que razão Putin invadiu a Ucrânia? Uma história sobre o fim da União Soviética que o líder russo nunca aceitou

Ucrânia, a Rússia invadiu o país num ataque em várias frentes O turbilhão de esforços diplomáticos nas últimas semanas não foi suficiente para fazer a Rússia mudar de ideias. Ainda há uma semana, no domingo, o Presidente russo, Vladimir Putin, garantia ao seu homólogo francês, Emmanuel Macron, que iria retirar as tropas da Bielorrússia quando terminassem os exercícios militares previstos. Uma intenção que rapidamente se percebeu não ser real. Um dia depois, na segunda-feira à noite, Putin foi claro nas suas intenções e na forma como olha para o país que fazia parte da antiga União Soviética.  "A Ucrânia moderna foi criada pela Rússia comunista", argumentou o presidente russo, acrescentando que os ucranianos foram "contaminadas pelo Ocidente com o vírus da corrupção". O presidente russo nunca aceitou o desmantelamento da União Soviética em 1992 e considera uma ameaça a extensão da NATO para esses países. Em 2005, no discurso do estado da Nação, Putin considerou o col

Notícias ao minuto sobre o coronavirus (cov-19) em Portugal

Coronavirus em Portugal actualizações hora a hora... Confirmados (total); Suspeitos (total acumulado) Por faixa etária Por região Óbitos por faixa etária e género

Portugal tem 3544 casos confirmados e 60 mortes

Há mais dez mortes do que na segunda-feira e mais 15% de casos confirmados de infecção. Região norte é a que tem mais mortes e mais casos de infecção. Mais de 60% das pessoas que morreram tinham idades superiores a 80 anos. Pelo mundo, a pandemia já fez mais de 16.500 mortes e, desde o início do surto, foram identificados mais de 377 mil casos de infecção. Há 33 mortes em Portugal (mais dez do que na segunda-feira) e 2362 casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus em Portugal, mais 302 do que no dia anterior – o que corresponde a uma variação de 15%. Das vítimas mortais, 63% tinham uma idade superior a 80 anos. Ao todo, 22 pessoas recuperaram. Inicialmente, a Direcção-Geral da Saúde (DGS) avançou 30 mortes, incluindo um primeiro óbito nos Açores que, afinal, se tratava de um paciente que não estava infectado com o novo coronavírus. No comunicado em que corrige essa informação, emitido pelas 16h25, a DGS dá conta de três outros óbitos, que “foram conhecidos após p